Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

girl on film

30
Mai13

Um filme, uma mulher. Por Victor Afonso





Filme: Alexandra. MulherAleksandra Nikolaevna

Alexander Sokurov é um cineasta dos afectos, de afectos austeros e familiares, afectos duros, mas afectos. Lembremo-nos que são deste cineasta duas obras que abordam o interior das relações mais intensas e estreitas: “Mãe e Filho” (1997) e “Pai e Filho” (2003). Uns anos mais tarde, em 2008, Sokurov construía mais uma belíssima abordagem ao amor de uma mulher por um seu ente querido (no caso, um neto): “Alexandra”.

“Alexandra” é uma viagem à guerra da Chechénia empreendida por uma senhora idosa (a Alexandra do titulo) para visitar o neto soldado. Sokurov encarna uma espécie de trindade unificadora entre a estética, ética e metafísica, debruçando-se sobre as relações de poder, os afectos familiares e a condição decadente do homem a partir do olhar terno e melancólico de uma mulher madura. A verdade é que este filme podia chamar-se, à semelhança dos seus anteriores títulos, “Avó e Neto” e, apesar de ser um cineasta espiritual, o realizador russo sabe que não se pode pensar o espírito sem o corpo. E o corpo da mulher, da avó, a Alexandra, é também o corpo da actriz, ex-cantora soprano que se estreou no cinema  com este filme. A mulher chama-se Galina Vishnevskaya e foi a pensar noutra grande mulher e actriz, a italiana Anna Magnani, que Sokurov convenceu a russa – aos 80 anos - a entrar no filme.

Galina, a Alexandra do filme, é uma mulher majestosa, de pose altiva e nobre, capaz de mover mundos e fundos para ajudar e consolar o seu neto soldado à mercê das maiores adversidades resultantes da guerra da Chechénia. É a força de Alexandra que outorga uma energia incontida às imagens que se vão desprendendo a cada momento do filme. Uma energia que extravasa a simples relação emocional e afectiva com o seu neto. 

Dir-se-ia que se trata de Alexandra, a Grande, ou não soubesse Sokurov que a mulher que a incorpora é a mesma mulher que outrora foi uma destacadíssima cantora de ópera. É como se o realizador quisesse, ao mesmo tempo, prestar homenagem a essa cantora de sucesso já esquecida através da personagem maravilhosa de Alexandra. E esta Alexandra, apesar dos seus 80 anos, é uma mulher que carrega uma sensualidade inaudita, ainda que uma sensualidade algo amargurada, quase palpável, na forma como olha o neto e olha os outros soldados. A película de Sokurov é quase uma espécie de elegia espiritual em que todo o amor tem de ser incondicional, ao mesmo tempo que se olha com desencanto para o estado do mundo e das coisas. Não é esse, afinal, o papel de qualquer avó? O de olhar criticamente para as coisas que a rodeiam e de saber interpretar o pulsar dos tempos? Sokurov sabia disso e em “Alexandra” revela-nos o quão desarmante pode ser esse olhar de uma mulher. Porque desarmante pode também ser o amor, como o ódio.








Contacto

Sofia Santos: agirlonfilm@sapo.pt // blog.girl.on.film@gmail.com

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

feira das vaidades

planeta pop + girl on film

Soundtrack by Girl On Film on Mixcloud

A outra casa

Em destaque no SAPO Blogs
pub