Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

girl on film

15
Mai13

Um filme, uma mulher. Por Catarina d'Oliveira






FilmeZero Dark Thirty. MulherMaya

Quando a Sofia me abordou para participar neste desafio, senti três coisas:
Primeiro honrada – porque muito admiro o que faz, não só aqui no blog, como no Cine 31.
Depois entusiasmada – porque sou uma confessada feminista (não daquelas que são equivalentes ao machista típico, que deixa crescer a unha do dedo mindinho e coça as partes íntimas em público, mas daquelas que acredita nas totais potencialidades do universo feminino e que gosta de os celebrar). 
Por fim, com uma certa larica, porque na altura ainda não tinha comido nada e já era quase uma da tarde.

Depois de refletir um pouco, cheguei à conclusão de que queria reproduzir, através da minha escolha, aqueles fabulosos descontos de supermercado do dois em um: por um lado, decidi que queria escolher um retrato de uma mulher contemporânea, por outro, dispus-me a excluir algumas escolhas óbvias, por conta e risco de me estatelar nas escolhas de outras participantes no desafio. 
Portanto, nada de Annie Hall, e nada de Ripley, e nada de Juno, e ainda nada de Lisbeth Salander.
Eventualmente, tudo me pareceu claro numa convergência de razões, emergências e energias, e não poderia escolher de outra maneira.

Resumindo e concluindo, que a estrada já vai longa – porquê a Maya?
Porque como a Annie Hall, a Maya incorpora aquilo que todas as mulheres gostavam de ser.
Porque como a Ripley, a Maya incorpora o espírito guerreiro, badass e sobrevivente.
Porque como a Juno, a Maya quebra estereótipos.
Porque como a Lisbeth, a Maya é ambígua, multidimensional e vulnerável, por baixo da carapaça durona que carrega.
Mas sobretudo, e acima de todas as coisas, porque a Maya está por aí. Com mais ou menos alteração cinematográfica, a Maya existe algures neste mundo para dar esperança e força a todas nós, naqueles dias em que só queremos ficar enfiadas na cama, sem soutien e de roupas largas. 
Porque a Maya não só protagonizou um dos filmes mais importantes dos nossos tempos, como protagonizou a História do mundo, sem precisar ou esperar que lhe apontassem os projetores na ribalta. Porque a Maya foi uma das mulheres capazes de escrever e mudar o curso da História e do Mundo, e fê-lo por si.

Pontos extra: os Ray Ban.




2 comentários

Comentar post

Contacto

Sofia Santos: agirlonfilm@sapo.pt // blog.girl.on.film@gmail.com

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

feira das vaidades

planeta pop + girl on film

Soundtrack by Girl On Film on Mixcloud

A outra casa

Em destaque no SAPO Blogs
pub