Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

girl on film

04
Jun18

A missão épica da Amazon Studios: cinco temporadas da série «Senhor dos Anéis»

Lord-of-the-Rings-_-amazon.jpg

 

A Amazon confirmou que está empenhada garantir cinco temporadas da série baseada na saga «Senhor dos Anéis» .

No final do ano passado, a Amazon enfrentou a Netflix e a HBO para garantir os direitos de adaptar a obra de JRR Tolkien para televisão. Apresar da vitória, a Amazon Studios assinou um contrato de 250 milhões de dólares que a obriga a iniciar a produção da série nos próximos dois anos.

29
Ago17

Fleabag | Temporada 1. A arte da comédia!


... Ou a comédia em torno da tragédia!

Nota da redação: sim, é uma série mais apropriada para o público feminino, no entanto, tenho a certeza que se o mais macho dos machos vir algum episódio ou a totalidade desta primeira temporada da série Amazon, não sofrerá nenhuma espécie de castração por castigo divino.

No minuto em que Frank Underwood usou o seu tempo de antena para falar diretamente com o público, muito mudou. A nossa percepção, interação e empatia com uma personagem não voltou a ser a mesma.

Phoebe Waller-Bridge percebeu isso e escreveu uma série em que a personagem principal dialoga com o espectador, só que, em vez de nos preocuparmos com as lides políticas do mundo contemporâneo, passamos a ter como foco, a vida de uma mulher que quer sobreviver, superar os seus problemas e ter uma vida sexual competente.

A magnífica Waller-Bridge é a autora e protagonista de Fleabag, uma série sobre uma mulher desenfreada que tenta sobreviver numa Londres moderna, enquanto aprende a lidar com a morte da melhor amiga, uma família disfuncional, problemas financeiros e má gestão das relações amorosas.

Para lidar com a vida difícil, Fleabag termina constantemente com o peculiar namorado, Harry (Hugh Skinner) e durante os períodos em que está solteira, dorme com quem lhe apetece de forma a evitar estar só. Fuma, bebe e provoca pessoas, tudo para evitar as dolorosas lembranças que testemunhamos quando vimos os flashbacks – usados como momentos de honestidade viciante. O argumento - escrito de forma exímia - não dá ao espectador um minuto de descanso.








Fleabag pode ser indexada entre as mais conceituadas comédias femininas de cariz sexual mas é mais mordaz e sexual do que Sex and the City e mais politicamente incorrecta do que Girls.

O humor é adulto, usado sem medos ou pudores. As piadas podem até não ser novidade para o público mas a forma como está escrita e filmada nunca antes foi feita em televisão, pelo menos, não com tanto charme envolvido.

Waller-Bridge tem um timing imaculado, uma cara bastante expressiva, um sorriso irónico e uns olhos impressionantes. É o soberbo trabalho da actriz que quando conjugado com a sua mestria na escrita que torna os seis episódios de Fleabag num dos melhores acontecimentos da televisão actual. 

Todo o elenco secundário merece elogios. Todos fazem parte da história e até aqueles que se limitam a entrar em cena para simplesmente estarem sentados no metro ou a carregar o telemóvel no café, fazem a diferença. E depois existem personagens simplesmente intitulados como “Arsehole Guy” ou “Woman in Sex shop”… e dito isto, tirem as vossas próprias conclusões!

Bill Paterson e a genial Olivia Colman são, respetivamente, “Dad” e “Godmother”, a madrasta, na verdade. Este casal são provavelmente os “pais” mais complexos da história da televisão. Se nos primeiros episódios achamos que são maus progenitores, conforme a história avança, vamos percebendo que não são só maus, são maus ao quadrado. Colman é severamente passiva agressiva, e controla a 100% o pai de Fleabag com manipulações tão incrivelmente surreais que rapidamente a tornam numa figura absolutamente horrífica. Olivia Colman é, como habitualmente, genial.

Em Fleabag existem vários tipos de dinâmicas entre as personagens. A personagem principal tanto interage de forma surreal com a família, como com desconhecidos e todas as cenas são desenvolvidas com uma precisão absoluta. Tudo tem um timing impecável e até as cenas que descrevem elementos do passado servem para tecer as personagens de forma eficiente e ininterrupta, sem trair a autenticidade do dia-a-dia da vida de Fleabag.

Fleabag mostra um olhar contemporâneo sobre a vida e ultrapassa o patamar da ficção porque é altamente relacionável. Ao contribuir com uma nova e fresca perspetiva em torno de relações desagradáveis ou com o sofrimento, a série possui um tom singular que, transmitido através de brilhante desempenho da actriz principal, "fala" diretamente connosco, mesmo quando o diálogo direto não acontece. A serie é uma comédia, é uma história crua e directa que retrata de forma intima e intensa, o luto, a solidão e a disfuncionalidade que todos nós, em certos momentos da vida, experienciamos. Com menos ou mais intensidade, todos somos Fleabag!







Que a segunda temporada não tarde em chegar. Quero mais. 



Contacto

Sofia Santos: agirlonfilm@sapo.pt // blog.girl.on.film@gmail.com

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

feira das vaidades

planeta pop + girl on film

Soundtrack by Girl On Film on Mixcloud

A outra casa

Em destaque no SAPO Blogs
pub