Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

girl on film

27
Ago13

Opinião | Pain & Gain | Michael Bay. 2013

Título em Portugal: Dá & Leva
Data de estreia: 22.08.2013 







Michael Bay deixou por momentos os robots e entregou-se de alma e coração à adaptação cinematografia de um dos episódios policiais (verídicos) mais caricatos da história contemporânea dos EUA. Bay baseou-se nos artigos escritos em 1999 por Pete Collins para o Miami New Times, que depois foram compilados pelo próprio num livro com o titulo de Pain & Gain. O filme é uma comédia de humor negro, que o realizador diz ser uma mistura entre Fargo e Pulp Fiction. Concordo, mas acrescento, tem uma mais-valia - o facto de ser baseado numa história verídica - que foi bem adaptada ao cinema por Christopher Markus e Stephen McFeely. A dupla excluiu e alterou algumas personagens e cenas. Segundo li, as maiores liberdades adaptativas ocorrem com a personagem de Dwayne Johnson - Paul Doyle, que na história real tem o nome de Carl Weekes e com a introdução de várias referências à homossexualidade, que sinceramente não acho assim tão relevantes ou chocantes. 





Miami, década de 90, Daniel Lugo (Mark Wahlberg) foge de um grande grupo de policias armados e só pára quando é atropelado por um carro da polícia. Não sabemos porquê, mas a história volta atrás no tempo e vamos descobrir o que aconteceu antes. 

Lugo é um ex-presidiário que cumpriu pena por fraude. Depois de solto, e praticante de culturismo, resolve entrar no ginásio Sun Gym e vender a ideia ao proprietário John Mese (Rob Corddry) que vai colocar o ginásio no topo, tornando-o um sucesso inigualável. Mese contrata-o e passado algum tempo o ginásio consegue, de facto, alcançar a fama.

No ginásio trabalha - também como personal trainer - Adrian Doorbal (Anthony Mackie). Doorbal é um culturista viciado em esteróides, que lhe dão músculos, mas que o tornam impotente.
O ambicioso Daniel não satisfeito com a sua vida monótona e mergulhado no sonho do self-made man, aspira a riqueza e uma vida regrada. Cobiça o estilo de vida de um dos seus clientes - Victor Kershaw (Tony Shalhoub), que Lugo acha ser um bandido, mas cujo dinheiro, posses e estilo de vida lhe suscitam interesse.
Para piorar os instintos sonhadores de Lugo, este descobre pela televisão um motivador profissional Johnny Wu (Ken Jeong), e influenciado pelo discurso deste, decide deixar de ser passivo e tornar-se um "fazedor", em alguém que faz e que age. O culturista engendra um plano que consiste em três fases:
1. Encontrar alguém com dinheiro;
2. Fazer com que este lhe dê tudo o que tem;
3. Fazer a América orgulhosa e que a vitima nunca descubra quem o roubou.



A vitima eleita é o milionário Victor Kershaw, mas Daniel Lugo sabe que não consegue levar a cabo este plano sozinho e como tal recruta Doorbal e Paul Doyle (Dwayne Johnson), um ex-recluso, também praticante de culturismo, viciado em cocaína que recentemente alcançou a "salvação" através de Jesus Cristo. Doyle mostra-se relutante em aceitar o trabalho, mas depois de problemas com a Fé e de agredir o sacerdote que o acolheu quando saiu da prisão, aceita.
Está assim formado o Gang Gym Sun e a alucinação tem inicio.
Depois de duas tentativas falhadas de rapto, e recorrendo a um taser, conseguem finalmente raptar Kersha. Os três culturistas escondem a vitima num armazém dele próprio, recheado por sex-toys. E segue-se a parte que está incluída no segundo passo do plano - a tortura. Lugo tenta disfarçar a voz, mas não consegue, pois é denunciado pelo cheiro do perfume barato que Kershaw reconhece e identifica. Mas, mesmo depois de descoberto, o plano mantém-se. Lugo e Doorbal continuam as suas vidas regulares e Doyle fica a tomar conta da vitima. Kersham é forçado a fazer chamadas, para disfarçar o seu desaparecimento e assina todos os documentos que Lugo lhe dá. Nesta parte da documentação, o líder do trio consegue que o gerente do ginásio - que por sorte era notário - e que depois de subornado com um bom patrocínio - assina e comprova a transferência de bens e dinheiro da vítima para Lugo. 
Com tudo já devidamente roubado, a tripla percebe que não é boa ideia libertar Kershaw, sobretudo porque ele identificou Lugo. Assim, o plano é alterado e é decidido que o melhor é matar a vitima, e com esta decisão, mais alguns momentos de profunda alucinação. Os três amigos embebedam-no e colocam-no num carro em andamento, tentando simular um acidente sobre o efeito de álcool. Mas, como não podia deixar de ser, o plano não corre bem e Victor sobrevive ao acidente. A seguir tentam incendiar o carro, conseguem de facto incendiar, mas não matam Victor. A ultima medida é o atropelamento, que obviamente não resulta, mas os três homens pouco dados à inteligência, acham que Kershaw morreu. 
O homem sobrevive e é hospitalizado, mas para seu azar, a História que conta à policia é demasiado surreal e estes não acreditam numa única palavra. A sua elevada taxa de alcoolemia ajuda a policia a considerar que Victor mente e que na verdade só estava bêbedo, não foi roubado e muito menos raptado - tendo em conta que ninguém participou o deu desaparecimento. Desesperado, recorre a um detective privado - Ed Du Bois III (Ed Harris), que está aposentado e que se recusa a assumir o caso, mas avisa Kershaw que o melhor a fazer era sair rapidamente do hospital antes de os três homem o encontrassem.




Entretanto, o Gang Gym Sun vive uma vida desafogada e repleta de luxos. Lugo assume os negócios, a casa e o carro de Kershaw, Doorbal casa-se com a enfermeira Robin (Rebel Wilson) - especialista em pénis sem erecção e compra uma casa. Doyle esquece a Fé de vez e com a namorada Sorina Luminita (Bar Paly) gasta a sua parte do dinheiro em luxos e cocaína. 
Lugo e os companheiros depressa descobrem que Kershaw está vivo e vão ao hospital para terminar aquilo que começaram, mas o quarto de Victor está vazio, porque este seguiu à risca o conselho de Du Bois. O detective, por sua vez, ficou tão intrigado com a história que decide investigar. 
Entretanto, Doyle já sem dinheiro, resolve assaltar um carro blindado de transporte de dinheiro. O assalto não corre bem e além de não conseguir o dinheiro, perde um dedo do pé, como resultado de um tiro. Depois de uma atarefada fuga, Doyle convence os amigos que o melhor era planearem outro rapto/roubo, porque todo o dinheiro que conseguiram, estava a acabar. 
Desta vez o alvo é Frank Griga (Michael Rispoli), o dono de uma empresa de sexo por telefone. O Gang entra em contacto com o empresário e com a desculpa de serem, também eles homens de negócios que pretendem investir no negócio do sexo, marcam uma reunião na casa de Doorbal. Griga aceita e leva consigo a sua mulher - Krisztina Furton (Keili Lefkowitz). Escusado será dizer que tudo corre mal. Lugo insiste em ir para uma sala falar sozinho com Griga. A conversa azeda, a discussão torna-se violenta e acaba com a morte - não propositada de Griga. Krisztina descobre o corpo inerte do marido e entra num ataque de histerismo, mas Doorbal injecta-lhe tranquilizante para cavalos. Lugo e Doyle resolvem que o melhor a fazer é invadir a casa do casal e tentar abrir um cofre. A mulher completamente dopada, cede-lhes o código, mas este não funciona. Durante as tentativas de abertura do cofre, Krisztina desperta e tenta fugir, Doorbal não tem outra solução a não ser a de voltar a sedá-la - com duas injecções. O resultado é um ataque cardíaco e a morte acidental da mulher. 
Se um corpo é difícil esconder, dois ainda mais. A solução - cortar os corpos e despeja-los dentro de barris num rio. Por causa das impressões digitais, as mãos do casal foram cortadas e assadas num grelhador. Doyle não aguenta a violência destes últimos acontecimentos e foge para a igreja e padre que o acolheram quando saiu da prisão. 
Depois disto, tudo ocorre de forma rápida. Du Bois começou de facto a investiga-los e reuniu provas de tal maneira credíveis que a polícia resolve aceitar a história de Kershaw e começa a tratar o caso como crime.
A polícia prende Doyle na igreja, Doorbal em casa, e Mese no Ginásio. Lugo consegue fugir no barco de Kershaw, mas mais uma vez, é mais ganancioso que inteligente e é apanhado quando tenta roubar o dinheiro que Victor tinha numa conta escondida nas Bahamas. 
O filme acaba com o julgamento. Doyle - mais uma vez encontrou Jesus e depois de confessar os crimes e de servir como testemunha contra os outros, apanha uma pena de 15 anos. Lugo e Doorbal são condenados à morte e Mese cumpre uma pena mais leve, mas acaba por morrer na prisão. 




Michael Bay é talvez um dos realizadores que mais antipatia nutre entre o público e a critica especializada. Ele é o responsável por filmes que muitos consideram os "piores entre os piores" e é o homem que vai ousar ao trazer aos cinemas as Tartarugas Ninja. Isto é um curriculum complicado e pouco credível para muitos. Mas, Bay mostrou um talento especial, e até agora desconhecido ao levar a cabo este projecto tão pessoal e em pequena escala (quando comparado com aquilo que costuma fazer). 
Pain & Gain é um filme carregado de testosterona, de sonho americano e de idiotice. Idiotice esta que Bay não inventou. É o resultado de uma história real. Bay filma bem a Miami dos anos 90, o seu sol e luz, os excessos da época, a roupa, os cenários e até o culto ao corpo é sedutoramente filmado.
O ritmo do filme não é cansativo, misturando cenas mais lentas, com alguma acção, momentos de comédia, com violência e até com momentos de puro retrato social. 
O realizador foi igualmente feliz na escolha do elenco. Anthony Mackie é o desastrado mais competente dos últimos tempos e quando está em dupla com a talentosa e cómica Rebel Wilson é brilhante. Dwayne Johnson - imensamente grande - dota o filme de momentos absolutamente delirantes. É um personagem profundo e em constante contradição com ele mesmo. Arrisco dizer que é o melhor papel de Johnson até hoje. Se o actor quiser, consegue ir mais além do que um monte de músculos e diálogos monocórdicos. 
Mark Wahlberg, apto no papel de alguém que quer tudo, mas fica sem nada. Encarna a metáfora do "sonho americano" e de que "se quiseres ser alguém na vida, tens que lutar por isso e agir", mas que corta pelo caminho que considera ser mais fácil. A personagem de Wahlberg também pode ser considerada como um ponto de critica social, para com os emigrantes que chegam aos EUA e vingam na vida. 
Todo o restante elenco secundário é competente e ajuda a alicerçar o argumento de duas horas de filme. Pain & Gain é para mim, o melhor filme de Michael Bay até o momento e espero sinceramente que o homem dos robots regresse a este registo, porque foi feliz ao fazê-lo. O filme é atraente esteticamente e brindado com um humor peculiar. Considero importante ver-se o filme mantendo sempre em mente que a história que aborda é surrealmente verídica. 


"My name is Daniel Lugo, and I believe in fitness"

Nota:



Contacto

Sofia Santos: agirlonfilm@sapo.pt // blog.girl.on.film@gmail.com

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

feira das vaidades

planeta pop + girl on film

Soundtrack by Girl On Film on Mixcloud

A outra casa

Em destaque no SAPO Blogs
pub