Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

girl on film

05
Ago14

Opinião | Dawn of the Planet of the Apes | Matt Reeves. 2014

Título em Portugal: Planeta dos Macacos: A Revolta
Data de estreia: 17.Julho.2014 




Diz o velho provérbio: “a brincar, a brincar, vai o macaco àbanana", mas neste Dawn of the Planet of the Apes, limitar a acção dosprimatas à banana é injusto. Dedicam-se mais à caça, à língua gestual e à artilharia pesada.

Grande parte da população mundial estava descrente no que àrealização deste remake dizia respeito. Muitas vozes se pronunciaram contra “Riseof the Planet of the Apes” de Rupert Wyatt e destas muitas vozes, algumas viramos seus espíritos de maledicência serem mortos a tiro pela competência dorealizador e sobretudo pela apresentação à Sétima Arte de uma das personagensmais marcantes da história da ficção científica (para não dizer do Cinema) –Caeser. O "primeiro" Planeta dos Macacos (de 2011) vingou por ser feito com arte comboa e bem aplicada tecnologia, com cérebro e sobretudo com coração. Nestasegunda parte há menos coração e mais computador.

A sequela Dawn of the Planet of the Apes mudou de realizador- Matt Reeves – mas felizmente manteve Andy Serkis como Caesar. A históriadesta segunda parte decorre 10 anos depois. Caeser continua a ser o líder dosprimatas e a humanidade está reduzida drasticamente devido à propagação deum vírus. Assim, de um lado estão primatas modificados geneticamente e dotadosde inteligência superior, do outro, humanos imunes ao vírus mas defraudados de qualidadede vida e prestes a perderem os poucos meios de sobrevivência que têm.

É a eterna história da luta de classes, da sobrevivência domais forte. É a eterna lengalenga de que existem maus em todo o lado e que até osbons oscilam nos seus valores quando têm que de salvar aqueles que amam. Nadade novo.




















Argumento e falhas do mesmo à parte, é impossível ignorar ofacto de que as personagens principais deste filme são criaturas feitastecnologicamente. O nível da qualidade do CGI apresentado é tão superior que emsegundos esquecemos que estamos a olhar para algo que não existe. Osmovimentos, o olhar e modos capturados digitalmente e protagonizados poractores como Andy Serkis, Toby Kebbell e Judy Grier (para citar apenas alguns)são dignos de admirar. O trabalho, dedicação dos actores e dos profissionais dodepartamento de animação é notável.

Dawn of the Planet of the Apes perde-se na humanizaçãoextrema dos primatas e sobretudo na militarização dos mesmos. Nas cenas finais protagonizadaspor Koba parecia que estávamos a ver uma pior versão dos Expendables, mas com mais pêlo, pulgas e cheiro símio.

Esta sequela é um passo em frente na tecnologia e uso doCGI, mas dois passos para trás no argumento. Se no primeiro filme os efeitosespeciais ajudaram a história, aqui, são a história – para o bem e para o mal. 

Permitam-me deixar aqui uma chamada de atenção sobre a campanha de promoção ao filme. Foi brilhante e genial. Bem pensada, bem estruturada e bem divulgada. 




















Nota: 



2 comentários

Comentar post

Contacto

Sofia Santos: agirlonfilm@sapo.pt // blog.girl.on.film@gmail.com

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

feira das vaidades

planeta pop + girl on film

Soundtrack by Girl On Film on Mixcloud

A outra casa

Em destaque no SAPO Blogs
pub